Páginas

19 de julho de 2011

Diferenças 1978 / 2010

Situação: O fim das férias.

Ano 1978:
Depois de passar 15 dias com a família atrelada numa caravana puxada
por um Fiat 600 pela costa de Portugal, terminam as férias. No dia
seguinte vai-se trabalhar.

Ano 2010:
Depois de voltar de Cancún de uma viagem com tudo pago, terminam as
férias. As pessoas sofrem de distúrbios de sono, depressão, seborreia
e caganeira.


Situação: Chega o dia de mudança de horário de Verão para Inverno.

Ano 1978:
Não se passa nada.

Ano 2010:
As pessoas sofrem de distúrbios de sono, depressão e caganeira.

Situação: O Pedro está a pensar ir até ao monte depois das aulas,
assim que entra no colégio mostra uma navalha ao João, com a qual
espera poder fazer uma fisga.

Ano 1978:
O director da escola vê, pergunta-lhe onde se vendem, mostra-lhe a
sua, que é mais antiga, mas que também é boa.

Ano 2010:
A escola é encerrada, chamam a Polícia Judiciária e levam o Pedro para
um reformatório. A SIC e a TVI apresentam os telejornais desde a porta
da escola.

Situação: O Carlos e o Quim trocam uns socos no fim das aulas.

Ano 1978:
Os companheiros animam a luta, o Carlos ganha. Dão as mãos e acabam
por ir juntos jogar matrecos.

Ano 2010:
A escola é encerrada. A SIC proclama o mês anti-violência escolar, O
Jornal de Notícias faz uma capa inteira dedicada ao tema, e a TVI
insiste em colocar a Moura Guedes à porta da escola a apresentar o
telejornal, mesmo debaixo de chuva.

Situação: O Jaime não pára quieto nas aulas, interrompe e incomoda os colegas.

Ano 1978:
Mandam o Jaime ir falar com o Director, e este dá-lhe uma bronca de
todo o tamanho. O Jaime volta à aula, senta-se em silêncio e não
interrompe mais.

Ano 2010:
Administram ao Jaime umas valentes doses de Ritalin. O Jaime parece um
Zombie. A escola recebe um apoio financeiro por terem um aluno
incapacitado.

Situação: O Luis parte o vidro dum carro do bairro dele. O pai caça um
cinto e espeta-lhe umas chicotadas com este.

Ano 1978:
O Luis tem mais cuidado da próxima vez. Cresce normalmente, vai à
universidade e converte-se num homem de negócios bem sucedido.

Ano 2010:
Prendem o pai do Luís por maus-tratos a menores. Sem a figura paterna,
o Luís junta-se a um gang de rua. Os psicólogos convencem a sua irmã
que o pai abusava dela e metem-no na cadeia para sempre. A mãe do Luís
começa a namorar com o psicólogo. O programa da Fátima Lopes mantém
durante meses o caso em estudo, bem como o Você na TV do Manuel Luís
Goucha.

Situação: O Zézinho cai enquanto praticava atletismo, arranha um
joelho. A sua professora Maria encontra-o sentado na berma da pista a
chorar. Maria abraça-o para o consolar.

Ano 1978:
Passado pouco tempo, o Zézinho sente-se melhor e continua a correr.

Ano 2010:
A Maria é acusada de perversão de menores e vai para o desemprego.
Confronta-se com 3 anos de prisão. O Zézinho passa 5 anos de terapia
em terapia. Os seus pais processam a escola por negligência e a Maria
por trauma emocional, ganhando ambos os processos. Maria, no
desemprego e cheia de dívidas suicida-se atirando-se de um prédio. Ao
aterrar, cai em cima de um carro, mas antes ainda parte com o corpo
uma varanda. O dono do carro e do apartamento processam os familiares
da Maria por destruição de propriedade. Ganham. A SIC e a TVI produzem
um filme baseado neste caso.

Situação: Um menino branco e um menino negro andam à batatada por um
ter chamado 'chocolate' ao outro.

Ano 1978:
Depois de uns socos esquivos, levantam-se e cada um para sua casa.
Amanhã são colegas.

Ano 2010:
A TVI envia os seus melhores correspondentes. A SIC prepara uma grande
reportagem dessas com investigadores que passaram dias no colégio a
averiguar factos. Emitem-se programas documentários sobre jovens
problemáticos e ódio racial. A juventude Skinhead finge
revolucionar-se a respeito disto. O governo oferece um apartamento à
família do miúdo negro.


Situação: Fazias uma asneira na sala de aula.

Ano 1978:
O professor espetava duas valentes lostras bem merecidas. Ao chegar a
casa o teu pai dava-te mais duas porque 'alguma deves ter feito'

Ano 2010:
Fazes uma asneira. O professor pede-te desculpa. O teu pai pede-te
desculpa e compra-te uma Playstation 3.

9 de julho de 2011

Diálogo de Colbert e Mazarino


DIÁLOGO ENTRE COLBERT E MAZARINO

Tremendamente actual.....

EM 1661!!!!!!!!!!! 

  
DIÁLOGO ENTRE COLBERT E MAZARINO DURANTE O REINADO DE LUíS XIV

Colbert foi ministro de Estado e da economia do rei Luiz XIV.
Mazarino era cardeal e estadista italiano que serviu como primeiro ministro na França. Notável coleccionador de arte e jóias, particularmente diamantes, deixou por herança os "diamantes Mazarino" para Luís XIV em 1661, alguns dos quais permanecem na coleção do museu do Louvre em Paris.
 
O diálogo:
 
Colbert: Para encontrar dinheiro, há um momento em que enganar (o contribuinte) já não é possível.

Eu gostaria, Senhor Superintendente, que me explicasse como é que é possível continuar a gastar quando já se está endividado até ao pescoço...
 
Mazarino: Se se é um simples mortal, claro está, quando se está coberto de dívidas, vai-se parar à prisão.

Mas o Estado... o Estado, esse, é diferente!!! Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, ele continua a endividar-se...  Todos os Estados o fazem!
 
Colbert: Ah sim? O Senhor acha isso mesmo ? Contudo, precisamos de dinheiro.

E como é que havemos de o obter se já criamos todos os impostos imagináveis?
 
Mazarino: Criam-se outros.
 
Colbert: Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres.
 
Mazarino: Sim, é impossível.
 
Colbert: E então os ricos?
 
Mazarino: Sobre os ricos também não. Eles deixariam de gastar. Um rico que gasta faz viver centenas de pobres.



Colbert: Então como havemos de fazer?
 
Mazarino: Colbert! Tu pensas como um queijo, como um penico de um doente! Há uma quantidade enorme de gente situada entre os ricos e os pobres: São os que trabalham sonhando em vir a enriquecer e temendo ficarem pobres. É a esses que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais! Esses, quanto mais lhes tirarmos mais eles trabalharão para compensarem o que lhes tiramos. É um reservatório inesgotável.

 

 

P.S.: De repente até parece uma anedota. Mas no fim, bem se vê que não. É a mais pura das realidades!

4 de julho de 2011

Dificuldade em agachar...

Ele era completamente narcisista, estilista e tomava muito sol.

Uma manhã parou nu em frente ao espelho para admirar seu corpo, e notou que estava todo bronzeado, à exceção de seu pênis.

Então decidiu fazer algo a respeito. Foi à praia, despiu-se completamente e se cobriu todo de areia, menos o dito cujo...

Duas velhinhas vinham caminhando pela praia. Uma delas usava um bastão para ajudar a caminhar.

Ao ver aquela coisa saindo da areia, a que tinha o bastão começou a dar voltas ao redor, observando.

Quando se deu conta do que era, disse:
-Não há justiça no mundo!

A outra anciã, que também observava com curiosidade, perguntou-lhe a que se referia.

A do bastão respondeu:

-Olha isso! Aos 20 anos, me dava curiosidade; aos 30, me dava prazer; aos 40, me enlouquecia; aos 50, tinha que implorar por isso; aos 60, rezava por ele; aos 70, me esqueci de que existia.

Agora, aos 80, crescem no solo, e eu não consigo me agachar...