Páginas

27 de abril de 2014

O Gato do Alentejano

Um alentejano queria livrar-se de um gato.  Levou-o até a uma esquina distante e voltou para a casa.
Quando chegou a casa, o gato já lá estava.
Levou-o novamente, agora para mais longe.  No regresso, encontrou o gato calmamente em casa.
Fez isso mais umas três vezes, cada vez até mais longe, e o gato voltava sempre para casa.
Furioso, pensou :

- "Vou lixar este gato !"

Pôs-lhe uma venda nos olhos, amarrou-o, meteu-o num saco opaco e colocou-o na mala do carro.
Subiu à serra mais distante, entrou e saiu de diversas estradinhas.
Deu mil voltas... e acabou por soltar o gato no meio do mato.
Passadas umas horas, o alentejano liga para casa pelo telemóvel.
- Tá, Maria, a porra do gato já chegou a casa ?

- Já...

- Ainda bem, deixa-me falar com esse cabrão porque eu estou perdido!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!...

 

Bombeiro regressa a casa...

Um bombeiro, depois de um dia exaustivo de trabalho, a apagar não sei quantos incêndios e a salvar pessoas, chegou a casa muito cansado e entrou rapidamente.
A mulher, que estava no quarto, gritou:
- Não, João Carlos, não acendas a luz que eu estou a morrer de dor de cabeça!
E antes que ele pudesse dar mais um passo, ela gritou ainda mais:
- Pelo amor de Deus, não acendas a luz, que estou com uma enxaqueca das grandes!
Ele tirou a roupa mesmo às escuras, enquanto a mulher gemia e gritava:
- Não acendas a luz, que me irrita os olhos e a dor de cabeça ainda piora!
E o pobre marido ficou com pena da mulher, tornou a vestir-se, no escuro, e correu para a farmácia da esquina, que estava de serviço.
O farmacêutico, que via o homem passando por ali, reconheceu-o e disse:
- Oiça, o senhor não é bombeiro?
- Sou...
- E o que é que está a fazer com essa farda de GNR?

26 de abril de 2014

Sensualidade em Pêlo

23 de abril de 2014

À porta do cemitério...

À porta do cemitério há uma grande fila de homens. 

Por curiosidade ele vai perguntar o que é. 

Responde-lhe um homem com um lobo d'alsácia à trela: 

- Foi o enterro da minha sogra, mordida na garganta por este meu cão. 

- Ah! - Diz o outro, um pouco espantado... Olhe lá! E o senhor não me quer vender esse belo animal? 

- Bem. Talvez se chegue a um acordo. Entre aí na fila e espere pela sua vez....!!!!